Enxuto sim, asséptico não

 

 

Em entrevista concedida em 1948, Graciliano Ramos — reconhecido por ser econômico nos adjetivos e narrar através de períodos curtos — assim definiu a sua estética forjada no sertão nordestino:

 

“Deve-se escrever da mesma maneira como as lavadeiras lá de Alagoas fazem seu ofício. Elas começam com uma primeira lavada, molham a roupa suja na beira da lagoa ou riacho, torcem o pano, molham-no novamente, voltam a torcer. Colocam o anil, ensaboam e torcem uma, duas vezes.

Depois enxáguam, dão mais uma molhada, agora jogando a água com a mão. Batem o pano na laje ou na pedra limpa e dão mais uma torcida e mais outra, torcem até não pingar do pano uma só gota.

Somente depois de feito tudo isso é que elas dependuram a roupa lavada na corda ou no varal, para secar. Pois quem se mete a escrever devia fazer a mesma coisa. A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso; a palavra foi feita para dizer.”

 

Este deveria ser um mandamento para os novos autores, aspirantes a escritor: privilegiar o conteúdo em detrimento da retórica ou do simples exibicionismo erudito. Mas há que se ter cuidado. Uma análise apressada da proposta do autor de Vidas Secas pode deixar o texto truncado transformando-o num amontoado de frases desconectadas.  Ao levar estes conselhos ao pé da letra corre-se o risco de cortar onde não é necessário.

 

O escritor Valmor Bordin (em uma de nossas agradáveis conversas), identificou que a busca obstinada por um texto enxuto — ou seco, como preferiria Graciliano — pode torná-lo asséptico, extirpar-lhe as entranhas, as vísceras. E é justamente ali que o texto vive. Portanto cuidado ao torcer as roupas. Torça-as apenas até a última gota d’água, pare antes que o sangue se esvaia.

 

Créditos:

– A imagem acima é uma obra de João Werner. Conheça o trabalho do artista em  www.joaowerner.com.br;

– A transcrição da entrevista de Graciliano foi extraída da revista Discutindo Literatura nº 18;

 

Anúncios

2 Respostas to “Enxuto sim, asséptico não”

  1. … gostava mais do layout anterior, mas os textos continuam déiz. bjoca.

  2. Emir.
    Eu andava meio entediado com o visual antigo. Mudei por mudar, como quem pinta as paredes da casa apenas para dar um outro clima.
    Um abraço,
    Leo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: