E agora, JD?

Em se tratando de Jerome David Salinger, podemos dizer que a morte biológica ocorrida no último dia 28 de janeiro foi apenas mais uma na trajetória do criador de Holden Caufield e Seymour Glass. Dizer que morreu o homem, mas permaneceu o autor é um clichê desnecessário. O que ocorre é que Salinger morre como autor quando desiste de publicar, morre como figura pública quando decide se isolar do mundo e, finalmente, morre como homem, fisicamente, pondo fim a expectativa de que fosse rever sua posição reclusão e retornasse ao mercado editorial.

 Sim, porque ele teria dito em uma rara e breve entrevista em 1980: “Gosto de escrever e asseguro a vocês que escrevo com regularidade”. “Mas escrevo para mim mesmo, por prazer. E quero ficar sozinho para escrever”.

E por que o silêncio de Salinger era tão agoniante? Porque todos os jovens que se identificaram com o onipresente Apanhador nos Campos de Centeio e os adultos que se emocionaram com Nove Estórias, nutriam a expectativa de ter a experiência de ler algo inédito produzido pela mesma mente que criou a seleta bibliografia de formação de todos os desajustados (entendam por desajustados aqueles que simplesmente não se enquadram nos estereótipos da sociedade sem, necessariamente, terem de viver a margem dela).

Pensei alguns dias sobre que outro significado essa “morte” pode ter para quem ainda aguardava por alguma novidade vinda da montanha de New Hampshire, onde o escritor vivia desde a década de 50. Ao contrário do fim da esperança de ver impresso tais escritos inéditos, produzidos durante o período de reclusão, a saída de cena do excêntrico Salinger pode significar que todas as páginas guardadas nas gavetas da sua casa cercada por muralhas venham à tona liberadas por algum parente seduzido pelo potencial comercial que este material possa ter.

Sei que não é honesto com este senhor expor, após a sua morte, tudo o que ele se empenhou em esconder enquanto vivia, mas, pro inferno com a ética, Salinger nos sacaneou durante 40 anos. Agora pode ser a nossa vez.

Anúncios

2 Respostas to “E agora, JD?”

  1. Quando soube da notícia estava encerrando o Nove estórias. E agora?
    Obs: Interessante o conceito dos desajustados!
    Abraço

  2. lmcolucci Says:

    Agora falta ler o resto e aguardar o que possa vir de novo. Enquanto isso, Bukowisky, Kerouac e Fante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: