Assim nascem os blues – Cena I: Tudo começa e termina na estação de trem

O trem já estava 9 horas atrasado. Muitos haviam desistido de esperar e a maioria dormia acomodado onde pudesse se arranjar para proteger-se minimamente do frio.

Um destes viajantes, no estado entre o sono e a vigília, despertou ao ouvir o que pareceu ser o crescente apito de um trem. Não era. Concluiu, então, que se tratava de uma peça pregada pelo subconsciente e tornou a adormecer. Mas aquele silvo — que agora lhe parecera um uivo — persistia. Com certeza não era fruto de sua imaginação. Apurou os ouvidos e localizou a origem de tal som metálico. Percebeu que em consonância com o ritmado efeito sonoro, uma voz declamava frases em tom lamurioso.

O viajante aproximou-se do jovem que executava a peça musical carregada de emoção. Neste momento — o rapaz ainda não dera por sua presença, pois cantava com os olhos fechados como se estivesse em outro lugar —, o viajante procurou um lugar para sentar para observar a curiosa performance.

Encerrada a parte declamada, o músico retornou à sessão rítmica e voltou a produzir aquele som metálico arrastado. Este efeito era gerado pela pressão e o deslizar de uma faca contra as cordas do violão. Era um som hipnótico que nunca havia sido ouvido até aquele dia de 1903.Train Station

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s